terça-feira, 24 de maio de 2011

Salomão Habib
“Suíte das Amazonas”
Violões Hexacorde e Decacorde



Igreja de Santo Alexandre
20:00h
Dia 27 de maio de 2011


Apresentação


A literatura violonística brasileira nos últimos dez anos obteve um notável crescimento. No aspecto étnico que tange a Amazônia, as pesquisas sobre música indígena e derivada realizada por Salomão Habib têm contado com uma notável recepção. Recentemente premiado pela FUNARTE em função da composição de 12 Rituais Sinfônicos para Orquestra, o violonista paraense agora se debruça sobre a composição da série 24 Carimbós para violão de 10 cordas.
As obras de Habib aos poucos vem conquistando platéias nos 5 continentes. A Suíte das Amazonas, peça que titula o concerto ora apresentado teve estréia em Nova York, Nova Zelândia, Itália, Hong Kong e Sidney, Austrália, executada pelo violonista brasileiro Fabrício Mattos em sua turnê mundial pelo projeto WORLDWIDE GUITAR CONNECTIONS.
Será sem dúvida um momento singular de riqueza sonora e melódica mostrando a gênese da música amazônica transcrita para as 10 cordas do violão.

http://www.worldwideguitarconnections.com/pt-br/compositores_salomaohabib.php


O Concerto

O concerto mostrará ao público paraense a música amazônica indígena e derivada, transcrita para violão numa linguagem universal, além de mostrar peças de compositores que marcaram a história do violão na América latina, tais como Villa Lobos, Radamés Gnatalli, Garoto e Sebastião Tapajós.
“Suíte das Amazonas” que dá título ao espetáculo é um conjunto de 5 peças escritas com base na lenda das amazonas.
A obra se divide em cinco movimentos, cada um retratando um aspecto da lenda. Nesta obra é possível observar o tratamento musical dado por Habib, completamente influenciado pela música de sua região, mas utilizando também recursos composicionais aprendidos durante vários anos como violonista clássico. O primeiro movimento, “Nhamundá”, leva o nome do rio em torno do qual as amazonas viviam. Apresenta ampla sonoridade, iniciando a obra já com uma grande dose de movimento, beleza e simplicidade envolventes. Em seguida, o segundo movimento, “Infância”, traz a pureza melódica e melancolia que caracterizam grande parte da música amazônica, as quais Salomão Habib domina perfeitamente e “traduz” para o violão. Em seguida, “Dança das Guerreiras” é um momento de grande vitalidade dentro da obra, que nos remete à imagem de força e destreza que o imaginário popular criou sobre as amazonas, destreza esta demonstrada também tecnicamente por uma sequência contínua de grande dificuldade técnica. O próximo movimento, “Feitiço”, é de grande importância dentro da suíte, pois traz um momento mágico que remete à parte sobrenatural da lenda, e é também um dos episódios de maior beleza dentro de toda a produção violonística de Salomão Habib. Este movimento cria uma atmosfera sensual, delicada, e sonhadora, após a enorme vitalidade do anterior. No movimento seguinte, e último da suíte, “Tambaramã”, o compositor nos traz de volta à realidade, apresentado novamente grande vitalidade, mas para agora expressar as lutas finais que levaram ao desaparecimento das amazonas e da maioria das tribos indígenas com a chegada do “homem branco”.

Um comentário:

Mamys Atelier disse...

Salomão, sou uma apaixonada por solos de violões, e você representa a arte de nossa terra com grande maestria!
Parabéns e com certeza estarei na igreja de santo Alexandre lhe aplaudindo ! Tudo de bom !